Cueiro

Benefícios

  • O Cueiro Ciranda já vem pronto para receber a criança, é só colocá-la dentro e envolve-la com as abas, sem manobras complicadas ou uso de alfinetes.
  • Envolve e aconchega o bebê, dando-lhe a sensação da volta ao ambiente uterino, lugar que ele reconhece.
  • Previne sustos com os movimentos involuntários dos bracinhos.
  • Prolonga as horas de sono, pois o bebê volta a dormir com facilidade.
  • Previne arranhões ocasionados pelas unhas do bebê.
  • 100% algodão. Ideal ao toque da pele sensível do bebê.

Por que Cueiro Ciranda

A gestação do bebê é constituída por 4 trimestres. Além dos três trimestres que o bebê passa dentro do útero, se desenvolvendo, há ainda o 4º trimestre, que consiste nos três primeiros meses de vida da criança, quando ela ainda é mais um feto que um bebê. Ela não está pronta, precisa ainda amadurecer órgãos e sentidos. Ela sente falta do útero onde estava aconchegada, apertadinha; Sente falta dos sons, do chiado constante das veias e artérias, e da placenta, que ouvia constantemente, sempre lá dentro. E sente falta do movimento que a embalava (quando a mãe se movimentava).

Aqui fora ela está totalmente solta, e isso faz com que se sinta insegura. Ela ainda não tem domínio sobre seus movimentos e desconhece seus próprios membros. Nos primeiros meses a criança se assusta com seus movimentos involuntários. Só mais tarde, em torno de 4 ou 5 meses de vida, é que ela vai descobrir suas mãos e seus pés. Por isso o uso de um cueiro é imprescindível, para fazermos o que chamamos no Brasil de charutinho ou pacotinho.

Por tudo isso, nascer é um corte abrupto desse ambiente. A criança chora e os pais não sabem o porquê e nem o que fazer para acalmá-la. O Cueiro Ciranda é um resgate do modo como a humanidade costumava instintivamente acalmar seus bebês durante milhares de anos, e que nos esquecemos de como fazer. Acalmar o bebê recém-nascido é imitar as condições da vida intra-uterina.

Com o Cueiro Ciranda, enrolamos a criança com os braços estendidos ao longo do corpo, de maneira firme, limitando quase que totalmente seus movimentos, deixando apenas a cabecinha solta, mas coberta por um gorro. Existem outras dicas para acalmá-la baseadas nos estudos do Pediatra norte-americano Dr. Harvey Karp e estar “enrolada” é uma delas.

Estudos do Dr. Harvey Karp

São 5 os passos baseados nos estudos do Dr. Harvey Karp, para acessar o reflexo da calma do bebê:

  1. aconchegar, apertar, envolver;
  2. colocá-lo de lado ou de bruços;
  3. fazer um chiado com a boca ou emitir um “ruído branco” (são sons de aspirador de pó, secador de cabelo, etc.);
  4. balançar;
  5. sugar (oferecer peito, dedo ou chupeta).

Esse “envolver” é importante nos três primeiros meses de vida, mas pode ser usado durante muito mais tempo, até aproximadamente os 8 meses.

Passo a passo