Revista Pais&Filhos - online - 05 de dezembro de 2008

Slings para todos os gostos

Além de vir em várias estampas e cores, o sling ainda pode ser amarrado de várias maneiras para dar versatilidade ao look da mãe e conforto ao bebê

Nada mais prático do que carregar o filho bem pertinho da gente e sem cansar os braços. O sling também é ótimo para dar uma aliviada nas cólicas, além de fortalecer o vínculo entre mãe e filho e transportar o pequeno de um jeito gostoso.
O que importa é a amarração, pois o sling em si é o mesmo: aquele pano com cerca de 5 metros de comprimento e 60 centímetros de largura, que se adapta conforme a necessidade. O jeito de amarrar o sling ainda determina com que idade a criança deve usá-lo, se é bom para ninar, brincar ou aliviar as dores do bebê. Ou seja, além de substituir o carrinho com estilo, sling ainda tem mil e uma utilidades!

Casulo aninhado - Ideal para recém-nascidos, neste modelo o bebê fica deitado bem pertinho peito da mãe, ele é similar ao sling tradicional. É bom também para a hora de amamentar. Acima, Tarsila de Souza Aranha com o filho, Theo, de 8 meses.

Casulo no peito – Aqui a criança fica bruços no peito do pai ou da mãe. E os bebês adoram porque dá para sentir a respiração de quem está carregando. A posição é boa também para aliviar as cólicas e ninar a criança. Na imagem, Tarsila de Souza Aranha com Beni Vainzof, de 4 meses.

Casulo de lado – Nesta posição parte do peso do bebê fica apoiado sobre os quadris e fica com maior mobilidade para comer ou interagir com as pessoas. Na foto, Tarsila e Theo.

Casulo nas costas – Esta amarração deixa o bebê com cara de “mini-mochila”. É ideal para as crianças mais velhas, que já têm uma boa sustentação do pescoço e das costas e dá super liberdade para os pais. Acima, Tarsila com filhos Helena, de 4 anos, e Theo, no sling.

Fonte: Pais&Filhos na internet